Ativista sueco caminhará 5 mil quilômetros pela Palestina

Benjamin Ladraa, de 25 anos, partiu da Suécia em agosto passado, depois de vender tudo o que ele possui.

Ativista sueco caminhará 5 mil quilômetros pela Palestina

Um ativista sueco de 25 anos iniciou uma caminhada traiçoeira da Suécia até a Palestina, para conscientizar sobre violações dos direitos humanos no território ocupado.

Benjamin Ladraa diz que ficou tão emocionado com uma viagem de três semanas para a Palestina em abril passado que ele decidiu "contar ao mundo sobre a situação na Palestina".

"Fiquei chocado com o que vi lá, vendo todas os muros, soldados caminhando pelas ruas carregando metralhadoras M-60. Ouvi histórias sobre 300 crianças em prisões, estupros em casas.

"Depois de três semanas voltei e queria fazer algo para sensibilizar sobre as violações dos direitos humanos na Palestina", disse Ladraa, que possui pais judeus.

Depois de desistir de seus estudos e trabalho, ele partiu em sua viagem de 5.000 quilômetros de Gotemburgo, Suécia para a Palestina, no dia 8 de agosto, no ano passado.

Ladraa está sempre em movimento, levando a bandeira palestina de costas e um keffiyeh, um símbolo da independência palestina, por cima do ombro.

Cada dia é uma experiência diferente para ele, diz ele. Às vezes ele dorme na sua tenda ou em um albergue. O jantar pode significar comer comida enlatada por uma fogueira ou uma refeição compartilhada com os anfitriões que ele encontra durante sua jornada.

Ladraa às vezes realiza palestras, onde ele conta ao público o que viu durante sua viagem à Palestina.

Com exceção de alguns incidentes independentes, ele diz que a maioria das pessoas o recebeu bem.

Em Praga, ele diz, ele foi detido por guardas da embaixada de Israel porque ele estava carregando uma bandeira palestina e empurrando um carrinho.

Ele foi libertado depois que um esquadrão de bomba assegurou que não era perigoso.

No entanto, os guardas escanearam seu passaporte e Ladraa teme que as tropas da fronteira não o deixem entrar na Palestina.

"O plano é continuar através da Bulgária, Turquia, Síria, Líbano, e novamente através da Síria para a Jordânia, e se eu não puder entrar na Palestina, vou tentar informar a mídia sobre isso", disse ele.

Ele publica fotos de sua jornada em suas contas do Facebook e Instagram sob #walktopalestine.

Ladraa, que ocasionalmente trabalhou para a Cruz Vermelha, economizou por cerca de um ano para esta viagem.

Ele diz que vendeu tudo o que ele possui. Às vezes, ele recebe doação.

Espera-se que ele complete sua jornada em junho ou julho.

"Eu acho que todos podem e devem dar um pouco de tempo para fazer algo para outras pessoas", disse Ladraa, que partiu de Belgrado no sábado.


Etiquetas: Ativista sueco

Notícias relacionadas