Israel nega ligação do Daesh aos ataques de Jerusalém

O exército israelense diz que os ataques foram realizados por uma célula local.

Israel nega ligação do Daesh aos ataques de Jerusalém

O exército israelense no sábado negou qualquer ligação do Daesh aos ataques de sexta-feira em Jerusalém Oriental, onde três palestinos e uma policial israelense foram mortos.

Os três foram mortos a tiros depois de dois ataques separados de tiroteio e esfaqueamento, o que resultou na morte de um policial israelense.

"De acordo com a nossa estimativa, o ataque foi feito por uma célula local", disseram os militares em um comunicado.

"Não há indícios de que o ato foi dirigido ou influenciado por uma determinada organização", acrescentou.

O grupo terrorista Daesh reivindicou a responsabilidade pelos atentados contra grupos palestinos antes dos grupos Hamas e a Frente Popular para a Libertação da Palestina (PFLP) confirmarem em declarações separadas que os três palestinos eram ativistas grupais e não tinham conexão com o Daesh.

Os atacantes eram da aldeia de Deir Abu Meshaal, ao sul da cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

Após os ataques, o governo israelense tomou uma série de medidas punitivas contra residentes palestinos na Cisjordânia.

De acordo com a polícia israelense, o governo israelense revogou permissões que permitem que os palestinos visitem Israel em ocasiões do mês sagrado muçulmano do Ramadã.

Desde outubro de 2015, mais de 285 palestinos foram mortos por forças israelenses durante - ou imediatamente depois - alegados ataques a israelenses ou em confrontos com forças de segurança israelenses, de acordo com figuras palestinas.

As autoridades israelenses, entretanto, dizem que quase 50 israelenses foram mortos em ataques perpetrados por palestinos no mesmo período.



Notícias relacionadas