PKK usa tortura e violência sexual como arma de guerra na Síria

O Representante Permanente Adjunto da Turquia junto às Nações Unidas, Güven Begeç, fez um discurso em uma sessão do Conselho de Segurança da ONU sobre a violência sexual cometida pelo PKK / PYD-YPG

PKK usa tortura e violência sexual como arma de guerra na Síria

O Representante Permanente Adjunto da Turquia junto às Nações Unidas, Güven Begeç, fez um discurso em uma sessão do Conselho de Segurança das Nações Unidas em que a violência sexual em conflitos foi discutida.

Begeç, em seu discurso, chamou a atenção para os atos "horríveis" de violência sexual cometidos tanto pelo regime sírio quanto pelos grupos terroristas como o DAESH e o PKK / PYD-YPG na Síria.

Begeç lembrou que o relatório publicado pela Comissão Internacional Independente de Investigação de Crimes de Direitos Humanos da ONU na Síria enfatiza que as Forças Democráticas da Síria, chefe da organização terrorista separatista PYD / PKK impõe a violência contra homens capturados em Al- Raqqa, queimando seus órgãos genitais ou os ameaçando com queimaduras.

"O grupo terrorista PKK / PYD-YPG comete tortura e violência sexual, como mencionado nos relatórios das Nações Unidas", acrescentou.

Begeç, referindo-se ao relatório, apresentado pelo Secretário Geral da ONU, Antonio Guterres, ao Conselho de Segurança da ONU baseado em atos de violência sexual em conflitos, destacou que também os atos de violência impostos pelo Exército de Mianmar contra os muçulmanos Rohingya em Arakan são "muito irritantes".

Begeç acrescentou que a comunidade internacional está esperando que o governo de Mianmar garanta que os refugiados de Arakan retornem em segurança às suas aldeias, para permitir o acesso humanitário e impedir todos os atos de violência, incluindo a violência sexual.



Notícias relacionadas