O projeto Turkish Stream está quase concluído

A Economia Mundial, um programa do Prof. Dr. Erdal Tanas Karagol.

O projeto Turkish Stream está quase concluído

O projeto do Gasoduto de Gás Natural conhecido como Turkish Stream continua a avançar de forma rápida, desde a assinatura do acordo para a sua construção em outubro do ano passado. Recentemente, o Relatório de Avaliação do Impacto Ambiental (EIA) referente ao troço do projeto junto à costa foi aprovado pela Turquia. Este relatório inclui avaliações dos aspetos positivos do projeto, bem como o seu impacto ambiental e social.

O gasoduto de gás natural Turkish Stream começa o seu percurso na Rússia e entra na Turquia através da localidade de Vize, na província da Kirklareli na região do Mar Negro. Este gasoduto irá trazer gás russo para a Turquia em primeiro lugar, sendo que uma parte do gás irá depois transitar da Turquia para a Europa, a região do mundo com a maior procura por gás natural. Este gasoduto, irá garantir o transporte do gás natural através de dois gasodutos independentes. Existe uma secção dupla em terra e outra secção dupla no mar. A capacidade total do projeto, cuja construção no mar começou em maio deste ano, foi estimada em 31,5 mil milhões de metros cúbicos.

A Rússia, um dos maiores exportadores mundiais de gás natural, quer chegar até vários mercados consumidores de gás natural através da identificação de formas estratégicas de transferência das suas reservas para os mercados mundiais. Pode-se dizer que o projeto do Turkish Stream, um dos maiores do mundo nesta área, irá ser a base da continuação da parceria estratégica entre a Rússia e a Turquia, e é também uma parte importante da política energética russa.

O projeto do Turkish Stream, que oferece vantagens consideráveis em termos de garantias de segurança energética no fornecimento de energia à Turquia, e que em paralelo fortalece também a posição geopolítica do país, oferece à Rússia a oportunidade de continuar a fazer trocas comerciais com um parceiro importante como a Turquia. Neste projeto, podemos ver claramente que a Rússia está à procura de garantias de procura pelo seu gás, bem como de formas de potenciar as suas fontes de energia.

Espera-se que o consumo de gás natural, que segundo as previsões deverá aumentar fortemente nos próximos anos, será também refletido nos números das importações de países estrangeiros dependentes do consumo de gás natural. Considerando que a Turquia atingiu um consumo de gás natural de 42 mil milhões de metros cúbicos em 2 016, espera-se que o consumo de gás natural continue a aumentar ao longo dos próximos anos. Neste contexto, o Gasoduto de Gás Natural Turkish Stream, com a sua capacidade alargada de transporte, aparece como um projeto favorável para fazer face à crescente procura por gás natural. Para além de conseguir fazer face aos contínuos aumentos de procura por gás natural na Turquia, este projeto pode também ser visto como um passo no caminho da Turquia, para se tornar num país central em termos do comércio de energia.

A Turquia, que se encontra próxima das fontes de energia devido à sua localização geográfica, está a avançar com novos desenvolvimentos no processo para se tornar num centro de energia, através dos seus gasodutos de gás natural atualmente em construção e pelo facto de oferecer mais do que uma rota de transporte de energia.

Por tudo isto, é óbvio que o objetivo da Turquia de se tornar num país central do comércio de energia no mercado mundial, está cada vez mais próximo de se concretizar à medida que estes projetos entram em funcionamento.

Naturalmente, é também necessário dar importância à questão da sustentabilidade nas parcerias de negócio com atores do mundo da energia, à medida que a Turquia se aproxima dos seus objetivos nesta área. Por exemplo, não foi apenas o projeto do Gasoduto Turkish Stream que trouxe as relações entre a Turquia e a Rússia até ao nível atual. Com Gasoduto de Gás Natural Blue Stream, construído como parte do Acordo de Compra e Venda de Gás Natural assinado em 1 997, vemos que as relações de energia entre os dois países já vêm de há longa data. Por outro lado, o projeto da Central Nuclear de Akkuyu, que foi assinado em 2 010, mostrou que as relações energéticas entre a Turquia e a Rússia também se desenvolveram para além do gás natural.

Em resultado desta situação, os desenvolvimentos no projeto Turkish Stream continuam a avançar de forma positiva com a aprovação do Relatório de Impacto Ambiental, relativo à parte marítima do projeto. Durante este processo, a Turquia que é um dos maiores fornecedores e consumidores de energia em todo o mundo, deve tirar proveito das oportunidades a que tem acesso no âmbito deste projeto e fazer o melhor uso possível do seu estatuto enquanto centro de energia.

A Turquia pode transformar estas oportunidades em vantagens de longo prazo, ao ter acesso a múltiplas e diversas fontes de energia e a vários mercados, e ao ser alvo de investimentos no mercado energético. Através destas oportunidades, a posição estratégica da Turquia no mercado da energia sairá reforçada e avançar-se-á no caminho da concretização do estatuto da Turquia enquanto centro de comércio de energia.

Porque não?



Notícias relacionadas