"Querem parar a construção de uma Turquia grande e forte"

O presidente Recep Tayyip Erdogan falou sobre a crise dos vistos dizendo que um plano sujo e multifacetado foi aplicado para impedir a construção de uma grande Turquia

"Querem parar a construção de uma Turquia grande e forte"

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que um plano sujo e multifacetado foi aplicado para impedir a construção de uma Turquia grande e forte.

"Este plano inclui provocações sectárias, étnicas e a proteção de bandas terroristas. Bandas sangrentas como PKK, FETÖ, DHKP-C e DAESH, estão neste jogo sangrento", disse Erdogan.

O presidente, no Encontro dos Governadores no Palácio Presidencial, referindo-se à tensão dos vistos com os EUA, deu mensagens difíceis ao governo de Washington.

Erdogan, sobre a crise do visto, disse o seguinte:

"O embaixador dos EUA causou o surgimento da suspensão de vistos para cidadãos turcos. É inaceitável que os EUA sacrifiquem um aliado estratégico como a Turquia a um impertinente embaixador. Pedi ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Çavuşoğlu, que enviasse o documento inteiramente do que nos enviaram.

A Turquia age de acordo com o princípio da reciprocidade diante de medidas injustas e desproporcionadas contra os seus cidadãos,  com relação a decisão de suspender os vistos. Não somos a parte que causa o problema. Não somos um Estado tribal. Eles devem aceitar que somos o Estado da República da Turquia. Esperamos que nossos interlocutores tomem medidas, o mais rápido possível, que não prejudiquem nossa aliança.

O processo judicial relativo a um cidadão turco, que atua como funcionário local na missão diplomática dos EUA em Istambul e que não possui imunidade diplomática, foi executado de acordo com práticas, acordos e o Tratado de Viena. Ele foi preso e depois detido. Desde 4 de outubro, nem sua família nem seu advogado pediram para ver essa pessoa. Rumores são mentiras. Somente ontem, quarta-feira, o pedido de encontro foi enviado à Procuradoria.

Erdogan também observou que os EUA estão enviando armas para grupos terroristas, apesar de ainda não ter respondido positivamente ao pedido da Turquia de comprar armas.

Aqueles que fazem da Síria um dos maiores mercados de armas do mundo, aqueles que equipam assassinos sangrentos com armas modernas, não o fazem por amor à democracia. Eles não estão interessados ​​na democracia ", disse ele.

Ele acrescentou que, a partir de agora, a polícia turca não usará mais as armas "SIG Sauer" de produção estrangeira, pois a Turquia já produz suas próprias armas.



Notícias relacionadas