“Çelik: “as declarações da EU sobre a Turquia são irresponsáveis”

Omer Çelik, o ministro turco para os Assuntos Europeus e negociador principal da Turquia no processo de adesão à UE, reagiu contras as declarações dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 28 países membros da União Europeia.

“Çelik: “as declarações da EU sobre a Turquia são irresponsáveis”

Omer Çelik, o ministro turco para os Assuntos Europeus e negociador principal da Turquia no processo de adesão à EU, disse que são irresponsáveis as declarações críticas contra a Turquia, feitas no final da Reunião do Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Numa mensagem publicada através da sua conta de Twitter, Çelik reagiu contras as declarações dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 28 países membros da União Europeia. O ministro turco sublinhou que a União Europeia não cumpriu com a sua palavra em relação aos desenvolvimentos na Síria, e que agora faz declarações irresponsáveis:

“Dizem que a União Europeia está muito preocupada com a deterioração da situação humanitária no noroeste da Síria, e sobretudo em Afrin, depois da operação do exército turco. É uma declaração que não tem sensibilidade nem responsabilidade política e humanitária.

É impossível que não saibam do domínio terrorista nem das migrações forçadas impostas ao povo da região, por parte do grupo terrorista separatista PKK/PYD-YPG, antes da intervenção do exército turco. Dizer que a situação se deteriorou mais com a operação em Afrin, significa apoiar a hegemonia terrorista e a brutalidade dos terroristas antes da operação”.

Çelik salientou ainda que existe oposição à Turquia na declaração da União Europeia.

“Estamos fartos de ouvir declarações da União Europeia contra a Turquia, que representa a vontade e os princípios políticos. O facto da União Europeia recordar à Turquia, que acolhe milhões de refugiados, sobre a situação humanitária na Turquia, é um disparate. E esta situação já se transformou numa tragédia da União Europeia” – acrescentou Çelik.

O ministro recordou ainda à União Europeia o “programa de acolhimento voluntário”, dizendo que “se a União Europeia dá importância à situação humanitária na Síria, em primeiro lugar deve cumprir a sua palavra sobre o programa de acolhimento voluntário, e os seus membros devem receber os refugiados sírios. E depois devem responder à proposta de Recep Tayyip Erdogan. O presidente turco quer construir nas regiões purgadas de terrorismo, para que as pessoas possam regressar às suas casas. Se quiserem atuar com responsabilidade para resolver a situação humanitária, enão devem cumprir com a sua palavra”.



Notícias relacionadas